» » » TJ revoga comissão que apura conduta de desembargadora presa sob suspeita de venda de sentenças

 Portaria estabelece nova composição e abre mais 30 dias de prazo para conclusão dos trabalhos.

Desembargadora Maria do Socorro Barreto Santiago (Foto: TJ-BA)
O Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA) abriu um novo prazo para apurar uma reclamação disciplinar na qual a desembargadora Maria do Socorro Santiago é suspeita de favorecer uma parte interessada em um processo envolvendo a compra e venda de uma propriedade rural em Ilhéus, no sul do estado. Atualmente, o caso está em fase de apelação, sob relatoria do desembargador Baltazar Mirada, da 5ª Câmara Cível.
Ex-presidente da corte baiana, Maria do Socorro está presa preventivamente (sem prazo determinado) por supostamente integrar um suposto esquema de de venda de sentenças .
Uma portaria publicada no Diário de Justiça desta sexta-feira (5) revogada uma comissão que havia sido designada anteriormente para realizar as apurações. O grupo de trabalho havia sido instituído no dia 29 de abril, com previsão para concluir os trabalhos em 30 dias.
Agora, a nova comissão terá à frente os desembargadores Ivone Bessa Ramos, que presidirá o colegiado, Joanice Maria Guimarães de Jesus e Lidivaldo Reaiche Raiumndo Britto. Eles também terão mais 30 dias para realizar as apurações.
A reclamação disciplinar que aponta a suposta falta funcional praticada pela desembargadora tramita no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
Na reclamação, o autor diz que Maria do Socorro teria agido de forma parcial ao supostamente favorecer a parte contrária em adjudicação do bem imóvel objeto de referido processo judicial.
Ainda segundo o documento, a parte possui amizade de muitos anos com a magistrada, pois segundo afirma, são “ambos nascidos e criados na cidade de Coaraci (BA), onde suas genitoras eram vizinhas e muito unidas, o que tonava as famílias próximas e os deixou com laços estreitos até os dias de hoje”
No pedido, o autor requer a apuração dos fatos narrados e a instauração de processo administrativo para aplicação da sanção disciplinar cabível.
Em maio, Maria do Socorro, outros desembargadores e três juízes do TJ-BA, além demais 15 pessoas se tornaram réus por organização criminosa e lavagem de dinheiro por supostamente integrar organização criminosa especializada na venda de decisões judiciais relacionadas a processos de grilagem na região do oeste baiano.
Desembargadora movimentou R$ 17 milhões desde 2013 
A ex-presidente da corte estadual teve sua prisão preventiva decretada pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça ) em novembro do ano passado, no âmbito da Operação Joia da Coroa, braço da Operação Faroeste.
A ordem partiu do ministro Og Fernandes, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), relator da Faroeste. À época, a Polícia Federal cumpriu três mandados de busca e apreensão.
No início das investigações, a magistrada, entretanto, já havia sido afastada do cargo pelo período de dez dias, também por decisão judicial, quando da deflagração da primeira fase da ação. A magisstrada, entretanto, foi presa posteriormente diante de indícios de que estaria destruindo provas e descumprindo a ordem de não manter contato com funcionários.
A investigação também menciona movimentação de R$ 17,49 milhões nas contas bancárias de Socorro —parte dos valores sem origem comprovada. As operações, entre créditos e débitos, teriam ocorrido entre 1º de janeiro de 2013 até o fim de 2029.
Na primeira fase da operação foram encontrados em endereço ligado à desembargadora joias, obras de arte, dinheiro em espécie, escrituras de imóveis. Para os investigadores, esse conjunto revela um indicativo de padrão econômico incompatível com os vencimentos de um servidor público.

About www.conexao cidade

Saiba de tudo que acontece em Camaçari, na Bahia no Brasil e no Mundo.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga