» » Operação de fauna “Arara Kûara” combate caça e comércio de animais silvestres

Foto:SSPBA

Em mais uma etapa da Operação “Arara Kûara”, o Instituto do Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Inema) vem monitorando, conforme planejamento da Coordenação de Fiscalização Preventiva da Diretoria de Fiscalização Ambiental (COFIS/DIFIS), as áreas da Região Norte do Estado com o objetivo de combater a caça, criação e comercialização ilegais da fauna silvestre e, em especial, garantir a proteção da Ararinha Azul (Cyanopsitta spixii) e da Arara Azul de Lear (Anodorhynchus leari) – espécies da fauna brasileira ameaçadas de extinção.

A fiscalização nesta fase se deu entre os dias 08 e 14 de Abril de 2021, nas Unidades de Conservação do Boqueirão da Onça, Raso da Catarina e Serra Branca, percorrendo os municípios de Campo Formoso, Curaçá, Juazeiro, Uauá, Jeremoabo e Canudos.

Além do apoio de técnicos da Sede Inema/CAB e da Unidade Regional (UR) Juazeiro, a ação também contou com a participação da Companhia de Polícia de Proteção Ambiental (COPPA/PMBA), da equipe do Centro Estadual de Triagem de Animais Silvestres (CETAS) através da articulação com a Coordenação de Gestão de Fauna (CGFAU), e de algumas Organizações Não Governamentais – ONGs que atuam na pesquisa e proteção da fauna e biodiversidade local.

Além de coibir os ilícitos relacionados ao tráfico das espécies ameaçadas, foram apreendidos 102 animais silvestres, dentre eles animais conhecidos popularmente como azulões, papa-capins, cardeais, canários-da-terra, coleirinhas, tico-ticos, trinca-ferros, bigodinhos, bicos-de-veludo, sabiás-laranjeiras, pássaro-preto, periquitos-da-caatinga, periquitos-são-josé e periquitos-maracanãs.

Na ocasião, foram apreendidas ainda seis espingardas de cartucho e de fabricação artesanal e, também, desarticulado um acampamento de caçadores encontrado na região.

Algumas aves puderam ser imediatamente soltas no seu habitat natural e as demais enviadas para o CETAS de Cruz das Almas para reabilitação e reintrodução na natureza.

Para o técnico do Inema que acompanhou toda a operação, Ricardo Chaves, foi uma grata surpresa registrar a Arara Azul de Lear em voo livre durante a última campanha de fiscalização. No entanto, o técnico chama a atenção para a necessidade de conservação da espécie. “Cabe também alertar que este exemplar da fauna, endêmico da Caatinga, que existe em área extremamente restrita do sertão baiano, é uma espécie da fauna brasileira ameaçada de extinção e, portanto, requer ações continuadas, e o Inema estará presente nas áreas de reprodução visando justamente coibir os ilícitos e garantir a sua proteção”, salientou.

A Operação Arara Kûara é um nome de origem indígena e significa “toca das araras” (arara, “arara” e kûara, “buraco”, “toca”). A ação vem ocorrendo desde 2019, onde as equipes de fiscalização percorrem os locais de reprodução das espécies ameaçadas de forma ostensiva. Até o momento atual, já foram apreendidos o montante de 315 animais silvestres e 34 armas de fogo, além de petrechos diversos utilizados contra a fauna. Foram flagrados e desmontados 2 acampamentos de caçadores, além do flagrante de um comerciante de aves, que comprava os animais na região para venda no Estado de Sergipe.

About www.conexao cidade

Saiba de tudo que acontece em Camaçari, na Bahia no Brasil e no Mundo.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga