» » Babalorixá teme perder terreiro para construção de linhas de transmissão: "É um local religioso"

Ricardo Barabadá comprou o terreno em 2005, após um pedido de seu Orixá.


Foto: Arquivo Pessoal

Quando Ricardo Barabadá, babalorixá desde 1995, recebeu o pedido de Obaluaiyê, para que encontrasse um espaço maior, rodeado por mata, para instalar o seu terreiro, prontamente o atendeu. O ano era de 2005. O que não imaginava é que, 16 anos depois, seu terreiro seria reivindicado para a construção de linhas de transmissão de energia.

Na semana passada, Barabadá foi surpreendido por uma notificação extrajudicial que propunha um acordo de R$ 50.954,11 pelo terreno do terreiro Ilê Asé Ayê Kô, em Pitanga de Palmares, no município de Simões Filho. "Eu não tenho interesse de me desfazer nem por R$ 50 milhões. Ali é um local religioso", afirma.

A notificação vem em nome da empresa Mez 1 Energia e a própria Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) endossa o pedido. A resolução da Aneel considera que o terreno é "de utilidade pública" para a passagem de uma linha de transmissão de Camaçari à Pirajá.

Barabadá reconhece a importância da linha de transmissão. No entanto, ele questiona a necessidade de desapropriação de um lugar que cumpre, acima de tudo, uma função religiosa. "Eu também não quero atrapalhar, mas eu quero chegar em uma forma que fique bom para ambos. Eu não adquiri o local para me desfazer assim", diz.

Fonte:metro1

About www.conexao cidade

Saiba de tudo que acontece em Camaçari, na Bahia no Brasil e no Mundo.
«
Next
Postagem mais recente
»
Previous
Postagem mais antiga